Follow by Email

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Entrevista
Um grupo de alunos orientados pela sua professora e
se comprometeram a fazer uma entrevista com um dos
inúmeros professores do CEU-Alvarenga em São Paulo
e escolhe o professor de ciências para que falasse de
sua trajetória até agora.
Então foram até sua sala onde o mesmo estava montando aquários “um sistema lacustre dentro de garrafas”, com a finalidade de representar o funcionamento ecológico da Represa Billings. E assim aconteceu eles marcaram e o professor prontamente foi para ser entrevistado.

Em uma sala onde se encontravam crianças da 4ª série em uma mesa fazendo atividades e que assistiriam ali a entrevista. Eram 6 entrevistadores que tinham em mãos as perguntas e um deles era aluno do escolhido para dar a entrevista que começou com a apresentação de cada um.

Perguntaram sobre sua infância, como era ele na escola se era estudioso, se fazia lição de casa, se sofria gozações de outros, o que gosta de fazer quando esta de férias e se ele gosta de dar aulas.

Todas as perguntas foram respondidas com facilidade, mas no final uma forte emoção toma conta do professor que estava com seus olhos marejados de lágrimas.
Sentiu ele uma felicidade imensa em estar ali, conversando com aquelas crianças que estão iniciando sua vida acadêmica e levando como exemplo as historias de sua infância que foi tão boa e feliz...
Este momento foi único e muito proveitoso para ambos.
De um lado a experiência do outro a busca de
referencia para continuar no caminho. O que ficou foi a proximidade de pessoas que sempre estarão ligadas pela dedicação entre aprender e ensinar com exemplos e atitudes.



Helio Ramos de Oliveira

sexta-feira, 23 de setembro de 2011


Professora ferida por aluno passa bem após cirurgia de 3 horas



A professora Rosileide Queirois de Oliveira, 38, baleada na tarde de ontem (22) por um aluno, permanece internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital das Clínicas na manhã desta sexta-feira. Ela passa bem e está consciente, segundo a unidade.

www1.folha.uol.com.br

O jornal foi vendido, os deputados puderam falar, o prefeito se desculpou, mas a criança morreu.

A escola municipal Professora Alcina Dantas Feijão, considerada a melhor pública de São Caetano do Sul. O garoto é filho de um guarda civil municipal e usou a arma do pai --um revólver calibre 38-- para fazer os disparos. O crime aconteceu às 15h50 de ontem.

A escola permanece fechada nesta sexta-feira. De acordo com a prefeitura, a equipe da Secretaria de Educação da cidade deve ser reunir ainda na manhã de hoje para discutir como será feito o retorno às aulas e o acompanhamento psicológico dos alunos. Zanone Fraissat/Folhapress

 A escola municipal Professora Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul (Grande SP), onde uma criança de 10 anos atirou em uma professora e depois se matou, nesta quinta-feira, aparece bem colocada nas avaliações federais.

No ensino médio, foi o melhor colégio público do Estado no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), excetuando as escolas técnicas.

Na educação fundamental, foi a melhor escola pública de São Caetano do 6º ao 9º ano, segundo o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Segundo a secretaria de Educação, 837 alunos estão matriculados no ensino fundamental e 952 no ensino médio.

A professora levou um tiro nas costas, na altura do quadril e sofreu uma fratura na patela direita. Ela foi socorrida ao Hospital Mario Covas, em Santo André, e depois foi transferida para o Hospital das Clínicas, em São Paulo. Seu estado de saúde é estável.

O revólver calibre 38 usado pelo aluno é do pai, guarda municipal. A arma é particular --não era da corporação.

A polícia diz que o menino pediu para ir ao banheiro e, quando voltou, já estava com a arma. Depois de atirar contra a professora, o aluno se retirou da sala de aula, sentou em uma escada e disparou nele próprio, na cabeça. Adriano Vizoni/Folhapress

 A professora Rosileide Queirois de Oliveira, 38 que foi baleada pelo menino permanece internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital das Clínicas, na capital paulista. Ela passou por uma cirurgia de cerca de três horas para a retirada do projétil. Segundo o HC, ela passa bem e está consciente.
Desculpe se não conseguiu ler direito, mas eu precisava que você desse uma lida e essa parte não é muito comercial. Entenda

 “Todo mundo achou que fosse brincadeira”

É bem isso mesmo todos acham e assim vai se levando com o mais puro descaso com a educação. Os desmandos a impunidade a violência institucionalizada.

Duas vidas se foram uma para o sempre e a outra para sempre será lembrada de quanto foi maltratada quando tinha apenas o compromisso de ajudar. Colocaremos a culpa no bullying, pois assim é mais fácil desvendar o mistério para tanta violência dentro da escola.

A professora esta bem...

Segundo quem?...

Ela foi a vitima ou a culpada?

Um aluno me disse: “Se aconteceu é por que ela fez alguma coisa” ele esta na 6ª série e deu medo de ouvir isso pensei logo em minha filha.

Todos acharam que fosse brincadeira, mas as pessoas estão morrendo nessa “brincadeira”.

Dia deste, alunos entraram com uma faca na escola, achamos que era para descascar laranjas. Só esquecemos que não há laranjeiras na escola. Então não foi feito um boletim de ocorrência que relate esses acontecimentos e mesmo assim se fosse feito ouviríamos que isso acontece com frequência não precisa fazer o B.O.

Mas tudo bem...

O Águia (helicóptero da policia militar de SP foi socorrer) esta tudo sobre controle.

Controle da marginalidade, que faz e acontece sem que haja uma ação preventiva. “Disse isso outro dia me chamaram de ditador” dei risada quando disseram que o infrator é vitima e não souberam dizer o nome de quem morreu inocentemente.

Mas tem o Águia.

Qual o nome das vitimas?

Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais entre outras

As escolas estão vulneráveis e inseguras.

“Isso não passa de uma brincadeira” Esta tudo bem isso é um fato isolado essa Professora estava no exercício de sua profissão. O aluno nunca mais fara isso novamente e logo todos terão esquecido o caso, basta você lembrar aquele do... De onde mesmo?

Ah!...

Curso de licenciatura é gratuito no Brasil, por falta de profissionais que queiram arriscar sua vida em prol do outro e que se dane o que acontecer com ele durante o exercício da profissão.
Ser professor é escolha e se não quiser se arriscar desista. Vai ser político ganhe bem sem se arriscar, quando morrer alguem você visita e diz que esta trabalhando para isso.



Helio Ramos de Oliveira

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Saber & aprender
E quando quem ensina também não sabe?
Isso acontece!
É um grande desafio, buscar a informação, digerir, lapidar e proferir de forma simples aos discentes, pessoas avidas por saber em busca de conhecimento que melhore sua vida.
Uma luz para clarear seus pensamentos em uma busca incansável...
E quando quem ensina não sabe disso?
Sem saber os caminhos não é possível encontrar as saídas.
O que fazer, se nunca foi aprendido e nem ao menos mencionado algo sobre.
Impaciência e insegurança.
Um sentimento de muitos profissionais da educação, que sem um currículo apropriado e uma formação continuada pautada na interdisciplinaridade, deixou a desejar. Esse é o descaso com a educação em nosso país, que produziu uma geração órfã da filosofia, um ingrediente que mudaria em muito esse nosso modelo caótico de educação, que é levado aos trancos e barrancos, um verdadeiro aprenda se puder.
Um bom professor, necessita de tranquilidade para estudar e aprender, assegurar que os caminhos sejam percorridos integralmente de forma segura, para que o processo de reproduzir e ampliar os conhecimentos ocorra com qualidade excepcional.
Isso não ocorreu como deveria.
É notória a ânsia em aprender por parte de todos os professores, querem ser mestres, os mestres querem ser doutores, mas esbaram na insegurança do será?...
O saber, faz parte da personalidade humana, que busca incansavelmente por ele.
Mas para tanto, é necessário que haja uma proposta bem definida, possibilitando percorrer na integra os caminho do saber, esses devem ser percorrido sem atalhos, pois eles escondem os princípios importantes do conhecimento, deixando deficitário o conteúdo aprendido, escondendo bases fundamentais imprescindíveis, para a formação integral, pois servirá como bagagem para afirmações futuras.
Violentamos nossa sociedade, em não dar as devidas condições para a aprendizagem com tranquilidade e respeito.
A confiança em quem ensina é necessária, assim como no que se aprende e na posterior aplicação desses saberes.
Em verdade, podemos dizer que existe uma grande vontade de desenvolver conhecimento, mas para que isso aconteça de fato, necessitamos de um terreno fértil, um solo preparado para que nele floresça o encantamento em saber para ensinar e aprender.
Os professores, merecem ser tratados com respeito e zelo, são eles os principais protagonistas de nossa história como nação.
Quando não souberem!...
Buscarão o conhecimento
Quando não souberem o caminho!...
Traçarão um novo.
Pode acreditar!
Uma luz o mestre sempre ira apontar.

Helio Ramos de Oliveira

quinta-feira, 15 de setembro de 2011


Educação empreendedora

Aula de ciências uma explanação sobre remanufatura de jeans, arte designer em fazer de velhas calças em novas bolsas estilizadas por crianças do ensino fundamental.
Um momento de ensinar e aprender. Tantas ideias que os alunos podem ter, criando a consciência empreendedora na mente avida de saber dessas pessoas.
Muitos confeccionaram suas bolsas, Transadas, cool usando e desfilando suas invenções com orgulho e paixão. Algumas vendas aconteceram obtenção de renda, para um jovem que descobre na arte e na ciência um potencial de trabalho mesmo sendo ainda crianças, produziram com desenvoltura e vontade.
Seguindo a aula, no caderno do aluno encontramos receitas de esfirras e pão de coco, que segundo o mestre também possui um grande potencial para o empreendedorismo quando existe o desejo de fazer.
Foi lido em sala por todos, aprendendo sobre fermento, trigo, fome, formas e valores. Observando as informações um aluno que ouve atentamente, intui essas informações em suas medidas, para que se possa obter renda como havia dito o prof. Helio Ramos e assim o fez!
Diante de uma necessidade, viu na receita de pão de coco uma oportunidade. Pediu os ingredientes para sua mãe e confeccionou o pão de coco que foi vendido transformado em renda. A bolsa que havia confeccionado também entrou no momento de empreender e também se transformou em renda para este menino da sexta série do ensino fundamental.
Assim, Guilherme conseguiu o valor suficiente para fazer um lindo passeio com a turma da escola.
Isso ele me disse, em uma aula de ciências que ele sempre esta presente buscando informações, que sejam economicamente viáveis e ambientalmente correta.
Ele escreveu como isso aconteceu, e eu com uma grande felicidade ouvi calado, a grande investida que ele menino fez. Os olhos de um simples professor marejados de lágrimas, vendo ali em minha frente à realização de uma profecia.
"A arte de ensinar o que se deve aprender para na vida aplicar e as coisas acontecer" Helio Ramos de Oliveira
A alegria do mestre, em ver nos olhos meninos o brilho da conquista em liberdade o empreender educação. Fiquei, bestialmente risonho e orgulhoso. Isso demonstra de fato, o compromisso com a educação de ambas as partes, onde bolsas e esfirras transformaram as aulas de ciências em oportunidade.
Assim fez Guilherme, um menino simples, mas com competência suficiente para protagonizar habilidosamente sua vida em aprender para empreender.

Helio Ramos de Oliveira

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

TANTA IMPUNIDADE


Tanta impunidade

O que é a escola?

Um ambiente inóspito onde se disputa o espaço.


Deveria ser um ambiente tranquilo onde se aprende e

ensina.

Façamos uma escolha...

Nossa sociedade com toda sua hipocrisia elegeu a

escola como a responsável pelos desmandos sociais e

legais.

Em um ambiente totalmente entregue a sorte

professores e alunos disputam o espaço com meliantes

que deturpam a verdadeira função social desta

instituição.

Sem nenhum tipo de crivo se delibera que os infratores

devem participar do ambiente escolar junto com aqueles

que dentro de sua ingenuidade ainda vislumbra a

ascenção, através dos conhecimentos e oportunidades

que a escola deveria proporcionar.

A justiça que submete a presença de infratores aos

justos que buscam de forma digna um espaço ao Sol

desrespeita o direito universal da vida em comunhão e

paz.

Certo da impunidade e do descaso com a instituição

escola que abriram mão da segurança de tantos em

detrimento de uns poucos que a sociedade cria como

erva daninha entre valorosos trigos. É notória a

descrença no sistema educriminal que nosso estado de

direito faz torto e de forma irresponsável assiste tudo

de braços cruzados esperando que as eleições cheguem

e passem sem que nenhum compromisso seja assumido

de fato.


Em busca de uma bandeira que nunca se desenrola, pois

serve de moeda de troca para que políticos incapazes

se elejam e se sustente nas mamas desta nação.

Nação!...

Presídios cheios e agora suas sucursais recebem aqueles

que a justiça não sabe o que fazer.

Escolas sem rumo e sem segurança.

Qual a esperança?...

Criminosos travestidos de alunos aterrorizam o

ambiente escolar com o consentimento dos aparatos

legais que se preocuparam em passar o problema

adiante.

Qual o conselho?

De quem é a tutela?

Professores reféns de um sistema injusto e

irresponsável onde a finalidade é a ascensão politica.

Não há uma ideia do que realmente ocorre nas escolas

dentro dos muros que deveria ser seguro e respeitado,

mas que nos dias de hoje é apenas um local para

colocar gente.

Educação...

Penso em como é retrogrado imaginar que o sucesso se

da pelos bancos escolares.

Um enorme desanimo se faz presente no semblante

pesado dos mestres, que vê degringolar toda a fantasia

criada em mudar o mundo pelo conhecimento e agora

procura mediar os conflitos entre os poderes e a

impunidade.

Dó!

Esse é o sentimento que tenho pelos professores que

são violentados profissionalmente sem que ninguém e

nem mesmo eles conseguem encontrar forças para algo

fazer.

Como formar uma sociedade vitimada pelo descaso com


a grande maioria que com otimismo ainda acredita que é

possível mudar.




Helio Ramos de Oliveira