Follow by Email

domingo, 18 de agosto de 2013


Minha pratica ilícita: “smatphone” em sala de aula?



Mesmo sendo proibida a utilização de celular em sala de aula, muitos alunos o utilizam, sem que haja nenhuma fiscalização austera quanto sua utilização. Aproveitando desta falha iniciei um ensaio, utilizando com alunos do ensino fundamental II, 8º e 9º ano, TI na sala de aula, utilizando um instrumento que a maioria dispunha o “smartphone”, esbocei a proposta de fotografarem as partes do livro e resenhar os entendimentos, utilizando aplicativos que armazenem imagens, vídeos, som, entre outros. Que servirão para esclarecimento do entendimento do assunto, para que seja feito um seminário com a exposição dos trabalhos, que podem ser em grupo as partes comuns e individuais na explicação.
Inicialmente com ar de desconfiança aceitaram, o desafio e logo os primeiros resultados quanto ao interesse foi percebido em alguns alunos, que sacaram de seus smartphones e buscaram aplicativos que disponibilizassem o livro que eles utilizam em sala mais agora no formato digital e conseguiram.
Eu, como tutor deste ensaio, pedi que compartilhassem com todos os aplicativos, e os caminhos para que tivessem todos com o livro disponibilizado na forma digital, e assim o fizeram e a cada vez que encontra algum aplicativo, que pode ser utilizado para a formatação do trabalho em seu smartphone ou em tablets eles compartilham com todos.
Aqueles que não possuem nenhum dos aparelhos, estão distribuídos em grupos que possuem, fazem seus trabalhos juntos em sala de aula, ou em tele centro e até em suas casas, assim todos aprendem como utilizar o smartphone e o tablet, que são de tecnologia mobile.
Em dois dias, alguns resultados foram aparecendo entre alguns alunos, alguns que haviam perdido o interesse na aula, por ser explanadas verbalmente e escrita em lousa. Alunos vieram até mim, com parte do trabalho, já feito em seu smartphone e outros em tablets. O mais legal, foi ver que as aulas se tornaram um ambiente de descoberta mutua entre mundos desconhecidos e a ciência aplicada ao conhecimento.
Estamos ainda em processo de transformação, transformando o vilão em um excelente parceiro da escola, ouvi de amigos professores, que estão abertos a implementar esta possibilidade em suas aulas, e esperam que os resultados de meus ensaios, tenham êxito entre todos, para que possa beneficiar a todos com esta pratica.
Acredito no desenvolvimento pleno desta pratica que pode ser utilizada além, da escola e servir como beneficio, facilitador. Ensinando aos alunos as inúmeras possibilidades, que podem criar com seu aparelho, “smartphone ou tablet”, que em uma situação de emergência, pode servir para conseguir uma oportunidade de trabalho, além das múltiplas facilidades de aprender e se comunicar.
Busco sempre atualizar-me em minha pratica, mostrando que ser contemporâneo, é saber, aprender ao ensinar, questionar, olhar com o olhar de criança, que vê além do tempo e ser futurista. Utilizar novas tecnologias, que respeite o meio ambiente de forma sustentável é dever de todos em beneficio do planeta.




Hélio Ramos de Oliveira