Follow by Email

quarta-feira, 24 de agosto de 2011


Choro de professor é ver a criança dançar e cantar
Ver a liberdade e voar
Um universo
Conspiração...
Assim se faz educação
Um momento onde centenas de professores em comunhão
Olham atentos para a mesma direção
Um grande espetáculo
A emoção de ensinar
Corações a pulsar
Palpitar
Lagrimas que escorrem
Na face
O mestre que cala em um suspiro
Lembranças
Infância em um grande sonho
Alegrar-se com o carinho
Esse é o caminhar
Educar...
Futurar...
Cuidar do planeta em forma de criança
Ver no mundo a esperança
Das crianças a cantar

Helio Ramos de Oliveira

Uma homenagem da EMEF CEU-Alvarenga as crianças que se apresentaram do Coral da EMEF " João Gualberto do Amaral Carvalho" no Seminário Regional de Educação - DRE-Santo Amaro " Compartilhando Saberes e Práticas" 23/08/2011. 

sábado, 20 de agosto de 2011


PENSADORES ESCREVEM... PROFESSORES SOFREM!...

Rosto cansado adentra para mais uma jornada de tantas já terminadas. Assina o ponto, se molda buscando energia para com alegria tornar seu dia um momento de prazer, em ensinar e aprender. Assim busca o encanto da arte de ser professor, uma escolha ao ser licenciado e preparado para aulas assumir.

Professor é gente, que ri e que sente amor, alegria as dores dos dias em que o sabor amargo da vida, se apresenta em feridas. Desamparado,desesperado em busca de socorro sem nada a receber.
São sempre esquecidos e ouvindo dos amigos, que não há nada a fazer...

Sem nenhuma assistência, sobra as ocorrências de conflitos nas escolas, um território sem brilho e sem gloria que cabe ao professor tendo a incumbência de resolver.Mesmo sem solução buscando em vão uma parceria que se sabe é difícil de existir.

Escolas inseguras, comunidade omissa, se descompromissa em os seus assistir, mas quando as coisas apertam logo se libertam, com os desmandos legais, assim nada se faz.

Mas quem deveria fazer?...
Alguns não sabem nem ler!
Tem Joãos e Aninhas que precisam aprender.

Uma sopa de gente, com mentes desorientadas, descompromissadas  algumas abandonadas sem saber o que fazer. Justificando o cansaço desse professor que no drible das aulas, corre sozinho sem as marcas do campo para se orientar.

Uma aula diferente!...
A proposta de sempre!
Mas quando acontece, alguém aparece e vem logo dizer: que assim não se aprende é tempo perdido tem que ter livro para o exercício aplicar.
Um conflito de ideias, escritas e cobradas em concurso de ingresso, mas muda o discurso quando na escola chegar.

Professores amigos, sempre lembrados, sempre queridos e desamparados, vivendo dos sorrisos de seus alunos, que sempre presentes, virão como gente o esforço em fazer.
Aprender com Paulo Freire:
“Educação como prática da liberdade”; “Política e educação”; “Pedagogia da autonomia” e “Pedagogia da esperança”.

Mas onde aplicar?
Escolas burocráticas, sempre apáticas sem proposta e sem rumo. 
Onde vai chegar?...

Gestores em conflitos!...
A quem deve seguir?...

Aos órgãos competentes, os que mandam na gente ou a sociedade que precisa mudar.

Pensadores pensaram em escolas.
Burocratas, transformaram nossas escolas, em imensos picadeiros mas sem a dignidade do palhaço, que faz rir colocando a ironia de quem sempre teve o compromisso de ensinar.

Mesmo assim...

Começam com “P”.

Quem vai rir?...



Helio Ramos de Oliveira

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

SUSTENTABILIDADE


Aula de ciências e sustentabilidade, uma proposta de

mudança de atitude e práticas pessoais.

Numa escola de periferia que margeia a represa Billings no

município de São Paulo.

Numa manhã de inverno, a aula começa com uma comanda

na lousa e as explicações do professor sobre a situação

humana no mundo.

Imaginem que todos vocês possuem dinheiro suficiente

para comprar um terreno em um lugar lindo com muito

verde, pássaros, esquilos um lindo lago um lugar dos

sonhos...

E então os alunos começaram a imaginar de como seria

maravilhoso e muito lindo morar em um local assim. Uma

menina disse cochichando...

- Nossa seria muito melhor do que onde moro lá só tem

favela!

Então o professor ouvindo as falas maravilhadas de todos

então pediu para que eles olhassem a sua volta e

imaginasse que aquele lugar um dia existiu aqui onde

estamos.

É...

Nossos ancestrais não pensaram dessa forma

Eles simplesmente se apossaram da terra sem que

houvesse nenhuma preocupação com as futuras gerações

que hoje são vocês.

Vieram apenas, com a preocupação de resolver o problema

de moradia a qualquer custo e conseguiram. Fizeram muitas

construções irregulares em áreas de risco, nenhuma

preocupação em tratar os resíduos que são jogados na

represa, represa essa que um dia foi um lindo e

maravilhoso lago.

Aquele!

Dos sonhos imaginados por todos no inicio da aula.

Agora se faz necessário que todos nos adultos, jovens,

crianças para que mudemos nossos hábitos e atitudes

pensando naqueles que ainda não nasceram e merecem um

mundo mais bonito.

Todos ficaram perplexos com a descoberta e disseram

como sempre.

Nossa...

Professor, mas se não fosse assim onde iria morar?

Com um ar de cautela o professor disse:

Moraria em um lugar mais saudável, organizado e que desse

a você uma melhor qualidade de vida.

Mas para que isso ocorresse de fato, necessitaríamos que

os nossos ancestrais tivessem o conhecimento necessário

para entender que devemos conviver com as diferentes

formas de vida isso seria então conviver.

Tem como mudar isso professor?

Sim!...

Nossas atitudes determinam o que somos.

Os jovens e crianças de hoje, tem a incumbência de levar

essa nova forma de pensar e agir para seus pais. Estarão

com base para tomar decisões que minimizem os danos já

causados e recuperem as áreas de risco preservando as

vidas de todos os seres. Respeitando as condições

socioambientais de forma correta e viável.

Nesta aula foi possível observar o tamanho conflito entre

existir e coexistir de forma sustentável interagindo de

forma positiva com o meio em que se vive.

Propuseram então a plantar mais arvores para que os

animais possam viver em seu habitat natural e que as

pessoas valorizem mais as questões ambientais.

Assim foi a primeira abordagem sobre sustentabilidade

para a turma de 6ª série NO CEU-Alvarenga em 2011.




Helio Ramos de Oliveira


Helio