Follow by Email

sexta-feira, 11 de abril de 2014


PRATICA DA LEITURA – MINHA PRATICA EM SALA DE AULA    10/04/2014

Hoje tive uma enorme alegria, uma turma de 6º ano me emocionou com a presteza demonstrada em seu compromisso com as tarefas escolares, eles sempre me receberam com alegria e entusiasmo. Participam das atividades com determinação, brincamos e cantamos na aula.
Elegemos a nossa sala de aula como um lugar de aprender e se divertir, fazemos leitura, cantamos, confeccionamos textos, sorrimos, e acontecemos em nossa alegria.
As notas foram as maiores, um coletivo pensante de crianças compromissadas com seu próprio desenvolvimento, minha emoção, não me conteve e foi avisar meus colegas que estavam na sala dos professores sobre meu encantamento.
Estava emocionado ao dizer que tive o prazer de coletar as notas de meus alunos e que as notas foram todas, plenamente satisfatória, valeu por todo tempo em que desempenho meu legado em ser professor.
No ATPC (um encontro com professores e coordenador), contei sobre minha emoção pelo ocorrido e acreditei na possibilidade de mudança.
Estamos desenvolvendo a competência leitora e escritora em ciências, acredito que a pratica da leitura é transformadora, escrevemos poemas, letras de musicas, poesias sobre os textos do caderno do aluno, escrevemos, lemos, cantamos e sorrimos. É delicioso adentra nesta sala, me refaz em minhas energias.
Obrigado queridos alunos do 6º ano f.


Prof. Hélio Ramos de Oliveira

sexta-feira, 4 de abril de 2014


BRASIL!
AQUI JÁZ A EDUCAÇÃO.
É notória a falência múltipla dos órgãos, que administram a 
educação em todos os âmbitos, uma vergonhosa politicagem que 
atrapalha o legítimo processo de formação de uma sociedade, justa 
e igualitária.
As inúmeras greves de professores que não são ouvidas é apenas 
um gatilho desta imensa bomba que explodirá na formação de uma 
sociedade sem referencias.
Nosso compromisso social, já não existe como referencia. Vivemos 
uma tortura na busca de soluções para problemas impostos por 
interferências políticas na escola, que além de corromper o 
processo educacional, é impotente e tosco.
A escola deve ser autônoma em sua diversidade, fizeram da escola 
imensos albergues sem função social alguma.
Crianças, jovens e adultos que frequentam a escola nos dias de 
hoje, não possuem compromisso algum com o aprender, resultando 
em escolas destruídas nos sentidos de valor, da moral e físico.
A sociedade brasileira elegeu a escola, como responsável pela 
derrota educacional e por consequência os Professores, que sempre 
desempenharam com bravura e subsistindo com esta situação que 
só vem piorando ano a ano.
Dia desses em uma grande emissora daqui de São Paulo, ouvi o 
apresentador preocupado com os pais, que não teriam onde colocar 
seus filhos por causa da greve dos professores. Fiquei crente que o 
processo educacional esta falido, no Brasil onde qualquer um tem 
sempre uma solução mais nenhum vive o processo degradante que 
esta a escola.
A escola não é um lugar para colocar seus filhos, a escola esta 
albergando seus filhos e é por isso, que estamos vivendo esta 
violência, que é bancada pela politicagem que existe em nosso país.
A escola deve ser respeitada e sua essência de promover a 
cidadania, merece cuidada e zelo.
Abandonar a escola ou fazer de conta que ela esta sendo assistida é 
hipócrita e mentiroso.
A escola deve deixar de fazer parte de mazelas politicas e ter sua 
autonomia baseado no direito à educação e o dever em respeitar as 
instituições publicas.



Prof. Hélio Ramos de Oliveira

É preciso combater os atos de violência na escola, e 
para isso nossa união como professores e pessoas de 
bem, que escolhemos nossa profissão baseada em 
valores, tenhamos a dignidade de trabalhar com 
tranquilidade e respeito, obteremos êxito em nossa 
empreitada de educar, não devemos ser omissos em 
nossa pratica, é preciso pulso forte e fazer de nossa 
força coletiva nossa verdade.
Empregar a leis como instrumento para que se 
cumpram os direitos por dignidade e respeito.
 As leis determinam em seu principio são sempre a 
melhor forma de igualdade. CF/ 88.




Prof. Hélio Ramos de Oliveira

quarta-feira, 2 de abril de 2014



Igualdade; valor; Compromisso e Coragem - Minha pratica em sala de aula                               
31/03/2014

Neste dia participei do ATPC e após a discussão sobre RESOLUÇÃO SE Nº 20, DE 5 DE FEVEREIRO DE 1998. http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/diretrizes_p1101-1102_c.pdf Ementa: Dispõe sobre a operacionalização da reclassificação de alunos das escolas da rede estadual. Após a leitura e discussão sobre o assunto sem que houvesse um entendimento sobre os procedimentos, passamos para a leitura de um texto onde o tema central foi com base nas palavras: valor, igualdade, compromisso e coragem. Após ouvir a leitura dos recortes, comentei sobre os preceitos de igualdade, em ser a Unidade Escolar um ente que em seu principio tem a obrigação de disseminar a igualdade, deve ser seu compromisso e sua função social, agregar valores e ter a coragem de inovar para que se criem as condições necessárias para o desenvolvimento da sociedade.
Em uma de minhas aulas neste dia em que trabalhei com as palavras: igualdade; valor; compromisso e coragem. Utilizei o dicionário para que todos buscassem o significado destas palavras, e por sorte neste dia, tive aulas duplas o que favoreceu, para a conclusão da atividade empregando a competência leitora e escritora em ciências.
Terminada a busca, orientei os alunos para que eles escrevessem algo sobre sua vida, utilizando as palavras sugeridas e agora com significado.
Assim foi feito com no mínimo dez linhas.
Uma destas pessoas escreveu sobre sua vida e trouxe para que eu avaliasse seu texto, ao começar a leitura, percebi que a pessoa não sabia escrever com correção da norma culta faltando algumas letras mais foi possível com sua ajuda, entender o que ela havia relatado e fiquei neste momento com os olhos marejados de lágrimas. Sua história de vida em dez linhas havia mais tristeza, do que a minha em 46 anos, ela encontrou a coragem de falar sobre o valor do acolhimento, que a fez acreditar em mudanças e que comprometer-se com sua vida, é a parte mais importante para que haja mudanças significativas em sua vida.
Fui buscar ajuda com uma professora da sala de recursos, que sempre esta disposta a ajudar aqueles alunos com dificuldades. Apresentei para a professora a pessoa em questão e juntos, decidimos que a pessoas em questão, seria avaliada para que pudéssemos junto, acelerar sua competência leitora e escritora, pois é notória sua capacidade de entendimento das coisas da vida.
Sou professor e sinto-me impotente neste momento, como querer que a educação avançasse se crianças são violadas do direito de ser criança. É abusiva a carga que se coloca sobre o professor, fiquei triste pelo restante do dia, sem entender o que estava acontecendo.
Tantos porquês?
A ausência de estrutura do estado em tratar esta questão, a omissão dos poderes, a vergonha desta criança que tem sua infância roubada e banida de sua história, nossa sociedade violada em seu compromisso social, eu que não sei o que fazer em tratar essa situação?
A quem recorrer sem ser hipócrita e fazer de conta que tudo esta resolvido.
A escola esta agonizando e pedindo socorro contra tanto descaso, perdendo sua função social de ensinar e aprender, se voltando para o abrigar e acolher, para quem sabe, poder viver, o professor não se formou para esta função, ele esta assoberbado de tarefas, que no processo ficará perdido por estar sozinho nesta batalha que é educação.

Hoje aprendi o quanto tenho que aprender com meus alunos e com o mundo que eles vivem em silencio.