Follow by Email

sábado, 4 de julho de 2015



Professor, é o que de melhor uma sociedade justa e 
igualitária pode ter, não o trate com desdem.  

Professor não deve ser tratado como um governador ou 
deputado qualquer.

Professor é digno de seu trabalho, se preparou sem que 
houvesse nenhuma propina.

Professor defende os reais interesses da sociedade a 
educação com qualidade.

Não somos castrados, não nos rendemos a polititica de 
sórdidos e mentirosos, que decretam seus próprios 
salários.

Sou professor, como dignidade e respeito, com meu 
exemplo de liberdade, ensino com dedicação e não 
curvarei minha dignidade com medo.

Inquestionável é a ética por ser dever de todos ao ser 
forjado o caráter.



STF exige pagamento de salário a professores grevistas de SP

    APÓS UMA GREVE DE 90 DIAS, ONDE FOMOS HUMILHADOS PELO GOVERNADOR DO ESTADO GERALDO ALKMIN
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Ricardo Lewandowski, determinou nesta quinta-feira, o pagamento dos dias parados aos professores da rede pública estadual de São Paulo, que ficaram três meses em greve e retomaram ao trabalho em junho.
A decisão suspende liminar do ministro Francisco Falcão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), instância inferior do Judiciário, que autorizou o desconto dos dias parados. O presidente do Supremo entendeu que o tema envolve questão constitucional e não poderia ser decidido pelo STJ. Além disso, Lewandowski admitiu que a falta do pagamento pode comprometer a subsistência dos servidores e de seus familiares.
Em nota, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) informou que ainda não foi notificada da decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal. O órgão ressaltou que em decisões recentes, ministros do próprio STF autorizaram o desconto de dias parados dos professores grevistas.
A Procuradoria-Geral citou decisão anterior, da ministra Carmen Lúcia, que autorizava o corte de ponto dos servidores. O parecer estabelecia “os salários dos dias de paralisação não deverão ser pagos, salvo em caso em que a paralisação tenha sido provocada justamente por atraso de pagamento”.
A presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP), Maria Izabel Azevedo Noronha, disse que os educadores receberam a decisão com o sentimento de que a justiça foi feita. “Foram os professores que fizeram a greve, mas houve intransigência do governo em todas as perspectivas. E ainda descontaram os dias parados. Agora, todos nós que fizemos a greve vamos poder repor [as aulas]”, contou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário